FLAG COUNTER DE RECEITAS E SEGREDOS DA COZINHA MINEIRA DESDE 29/02/2013

FLAG COUNTER DE RECEITAS E SEGREDOS DA COZINHA MINEIRA DESDE 29/02/2013
110 países já visitaram este site! Clic na imagem para ver!

domingo

BEM ESTAR - SAÚDE E NUTRIÇÃO - DIETA PARA A SÍNDROME DO INTESTINO OU CÓLON IRRITÁVEL (SII) - O QUE EVITAR - O QUE COMER?

A literatura tem demonstrado que  tipos específicos de carboidratos, representados pela sigla - Fodmaps (Fermentable Oligosaccharides, disaccharides, monosaccharides and polyols), podem ser prejudiciais para quem tem SII. São oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis fermentáveis, ou seja, carboidratos de cadeia curta, de difícil absorção e rápida fermentação.

Sintomas

Quem tem a SII poderá sentir dor e distensão abdominal, diarreias, gases, prisão de ventre e desconforto abdominal que melhora depois de evacuar.
De acordo com estudos, a dieta com poucos Fodmaps pode melhorar os sintomas da Síndrome do Intestino Irritável em pelo menos 74%.

Alimentos com muitos Fodmaps: evite

De acordo com dados da Universidade de Monash, na Austrália, devem ser evitados os seguintes alimentos:

Evite alimentos estimulantes: café chocolate ou chá preto.

Evite alimentos de difícil digestão como:
Carnes gordurosas
Soja , cevada, grão de bico,  couve-de-bruxelas.

ELIMINAÇÃO DO GLÚTEN:  ( TRIGO, CEVADA E CENTEIO)

PESQUISAS MOSTRAM QUE ALGUMAS PESSOAS COM A MELHORIA NOS SINTOMAS DE DIARREIA, PARAM DE COMER GLÚTEN

Açucares processados, doces e bolos
Manteiga
Consuma produtos de soja no lugar de laticínios

Elimine da sua dieta vegetais e legumes que produzem flatulências,

Alcoól,  bebidas gaseificadas – CERVEJA –
frituras
Milho;
Couve - flor, brócolis,repolho,
Couve;
Ervilhas;
Aspargos;
Alho;
Aipo;
Beterraba;
Cebola;
Alcachofra;
Biscoitos de centeio;
Biscoitos feitos com trigo;
Pistache;
Castanha de caju;
Pães feitos com trigo ou centeio;
Massa;
Pizza;
Cereais a base de trigo com frutas secas;
Feijão -  substitua pelo caldo ou vagem ou lentilha
Iogurte c/ lactose;
Leite c/ lactose;
Queijo fresco;
Sorvete;

FRUTAS CRUAS -  se vc tem inchaço, incômodos, pode ser que seu médico sugira que vc corte bebidas carbonatadas, legumes, especialmente repolho, brócolis e couve-flor e FRUTAS CRUAS.

Maçãs;
Peras;
Manga;
Melancia;
Nectarina;
Pêssego;
Ameixas;

Alimentos com poucos Fodmaps: DÊ A PREFERÊNCIA

Beber ao longo do dia, 2 litros de água

Ainda seguindo as dicas da instituição, opte por comer:


Alimentos probióticos como iogurte ( sem lactose) e kefir do leite
Ajudam na digestão da lactose, reduzem a constipação e a diarréia, estimulam o sistema imunológico, a produção de vitamina B e restabelece, a flora intestinal.

Saladas cruas a vontade, priorizando vegetais verde escuros (VER MELHOR)

Mel
Azeite de oliva
Feijão verde;
Cenoura;
Berinjela;
Espinafre;
Tomate;
Chás calmantes, como o de camomila, tília, hortelã  ou cidreira
Frutas não cítricas

Mamão
Abacate
Alface;
Pepino;
Couve chinesa;
Ervas aromáticas;
Biscoito sem glúten;
Bolache de arroz;
Amêndoas;
Semente de abóbora;
Aveia
Pão sem glúten
Massa sem glúten
Arroz;
Quinoa;
Carne;
Peixes sem fritar – ver dieta do ácido úrico
Galinha;
Tofu;
Leite e iogurte sem lactose;
Queijo duro;
Banana prata;
Laranja serra d água;
Tangerina;
Damasco
Castanha do pará
Uva;
Melão
Maracujá;
Framboesa;
Morango.

ALIMENTOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS SUSPEITOS E RETIRADOS DA ALIMENTAÇÃO PARA OBSERVAÇÃO:

. leite e os derivados que contiverem lactose (queijo minas, requeijão, coalhadas, mesmo quando não há intolerância à lactose
Às vezes,em casos isolados, da forma diarréica, em que uma dieta que exclui o glúten, laticínios e derivados e SOJA tem se mostrado eficas na supressão dos principais sintomas.

A hipótese mais plausível é a de que algumas proteínas contidas nestes alimentos seriam de difícil digestão para os portadores da síndrome.
. alimentos com cafeína: chá preto, chá mate, chá verde, café, chocolate, coca;
. condimentos e especiarias: canela, pimenta, alho, cebola
. frutas cítricas: laranja azeda, limão, abacaxi,  maracujá
. alimentos muito gordurosos: frituras, amendoim, queijos amarelos
. refrigerantes, bebidas alcoólicas
. alimentos com glúten; pão, macarrão, bolo, biscoito
. alimentos ricos em sacarose: açúcar, doces
Algumas carnes, como a de porco

O uso dos alimentos ricos em cálcio como os leites de soja fortificados e as fontes de magnésio( tofu, soja, tomate, além de chá que auxiliam a eliminação dos gases ( melissa, camomila), podem auxiliar o tratamento que é complementado com cuidados com o sono,  hidratação, prática de atividade física e diminuição do estresse ( melhor qualidade de vida).

. INVISTA EM PROBIÓTICOS

. Evite alimentos refinados, como a  FARINHA BRANCA
. evite industrializados e corantes
. Evite alimentos formadores de gases, como repolho, brócolis, feijão, batata doce entre outros.


 A Síndrome do cólon irritável é um distúrbio na motilidade intestinal não associado a alterações estruturais ou bioquímicas e que se caracteriza por episódios de desconforto abdominal, dor, diarreia e obstipação (prisão de ventre) presentes pelo menos durante 12 semanas, consecutivas ou não.

Em geral, os portadores da síndrome precisam de remédio. Isso não quer dizer que o uso de medicamentos deva ser crônico e contínuo, como acontece com outras doenças do intestino. Eles podem ser prescritos nas fases de maior desconforto, por não mais do que um ou dois meses.
É evidente que o indivíduo com propensão para manifestar a síndrome, depois de alguns anos sem manifestações clínicas, por fatores emocionais ou algum distúrbio na motilidade intestinal, pode voltar a apresentar os sintomas e ser obrigado a retomar o tratamento.

Causas

* Motilidade anormal do intestino delgado durante o jejum, contrações exageradas depois da ingestão de alimentos gordurosos ou em resposta ao estresse;

* Hipersensibilidade dos receptores nervosos da parede intestinal à falta de oxigênio, distensão, conteúdo fecal, infecção e às alterações psicológicas;

* Níveis elevados de neurotransmissores (como a serotonina, por exemplo) no sangue e no intestino grosso;

* Infecções e processos inflamatórios;

* Depressão e ansiedade.

Diagnóstico

O diagnóstico é baseado nos sintomas, na ausência de sinais relevantes verificados no exame físico e na visualização direta do intestino através da colonoscopia. Ele deve ser bastante cuidadoso, porque algumas doenças mais graves podem ser confundidas com a síndrome do cólon irritável.

Sintomas

Os sintomas (desconforto abdominal, dor, cólicas, alternância dos períodos de diarreia e obstipação intestinal, flatulência exagerada e sensação de esvaziamento incompleto do intestino) podem piorar depois da ingestão de cafeína, álcool, comidas gordurosas, vegetais que aumentem a produção de gases digestivos ou de produtos que contenham sorbitol, como chiclete e balas sem açúcar.

Tratamento

Para a dor:

* O tratamento é feito com antiespasmódicos. Alguns pacientes reagem bem ao uso de antidepressivos tricíclicos; outros, aos anti-inflamatórios e, nos casos mais rebeldes, à morfina e derivados.

Para a diarreia:

* Medicamentos que aumentam a consistência do bolo alimentar e reduzem a frequência dos movimentos intestinais costumam apresentar bons resultados. Casos mais refratários podem ser tratados com antibióticos por tempo curto.

Para a prisão de ventre:

* Dieta rica em fibras e laxativos osmóticos, como o leite de magnésia e a lactulose, ajudam a aliviar os sintomas. Além desses, drogas capazes de acelerar o trânsito intestinal e diminuir a consistência das fezes também são úteis.

Recomendações

* Faça uma lista dos alimentos que possam estar associados ao aparecimento das crises e evite-os;

* Adote dieta com baixo teor de gordura e rica em fibras, mas cuidado com os vegetais que aumentam a produção de gases, como repolho, couve-flor, batata doce, feijão, entre outros;

* Evite ingerir bebidas alcoólicas e as que contêm cafeína;

* Procure não mascar chicletes nem chupar balas que contenham sorbitol; ou xilitol.

* Mantenha um programa diário de exercícios físicos;

* Não fume;

* Não despreze o benefício que a psicoterapia e outras técnicas terapêuticas (relaxamento, por exemplo) podem trazer aos portadores da síndrome.

Alimentos a evitar na síndrome do intestino irritável

frituras, molhos, natas;
café, chá preto e refrigerantes com cafeína;
açúcar, doces, bolachas, biscoitos, bala;
bebidas alcoólicas.
Pode ser necessário excluir o leite da dieta se o paciente verificar que este alimento irrita o seu intestino, pois é muito comum a intolerância à lactose nos pacientes com síndrome do cólon irritável. Assim como a presença da fibra na dieta deve ser estudada individualmente porque para alguns pacientes pode ser contra-indicada.
Na dieta para síndrome do intestino irritável é importante controlar também a quantidade de água ingerida. Está determinado que o paciente com síndrome do cólon irritável deve beber cerca de 30 a 35 mL de líquidos, como água, por kg de peso, o que significa que um indivíduo de 60 kg tem que ingerir cerca de 2 litros de água. A conta é feita multiplicando o peso real do paciente por 35 mL.
Deve-se controlar também alimentos que irritam os intestinos, como condimentos picantes e produtos com excesso de conservantes.
O sal grosso tem efeito osmótico e aumenta o fluxo de água para dentro dos intestinos, favorecendo a irritação intestinal.
Da mesma forma desaconselha-se a ingestão excessiva de açúcar, principalmente de doces muito concentrados, como brigadeiro, quindim e leite condensado.
Em geral os portadores da síndrome precisam de remédios. Isso não quer dizer que o uso de medicamentos deva ser crônico, como acontece com outras doenças do intestino. Eles podem ser prescritos nas fases de maior desconforto, por não mais que 1 ou 2 meses.

CONCLUSÃO:

A dieta Low FODMAP ou dieta pobre em FODMAP é uma nova abordagem alimentar que está a ser utilizada para controlar os sintomas associados à SII. A dieta com baixo teor de FODMAP  está a tornar-se mundialmente aceite como a principal estratégia de gestão dos sintomas da SII, bem como de outros distúrbios gastrointestinais.

Os FODMAPs ( sigla para Oligosacarídeos, Dissacarídeos, Monosacarídeos e Polióis Fermentáveis), encontram-se numa grande variedade de alimentos que são dificilmente absorvidos pelo intestino delgado. Estes hidratos de carbono mal absorvidos são por sua vez fermentados por bactérias do intestino produzindo gases. A pesquisa atual indica fortemente que este grupo de hidratos de carbono contribui paraa os sintomas associados à SII.
Limitar o consumo de FODMAPs na dieta, segundo a Dra. Sue Shepherd, em sua tese de doutoramento, em 1999, é um tratamento eficaz para quem tem sintomas associados à SII.


ATENÇÃO:

SIGA AS RECOMENDAÇÕES  DO GASTROENTEROLOGISTA, NUTRÓLOGO E/OU CLÍNICO GERAL.
NÃO FAÇA DIETAS RESTRITIVAS POR CONTA PRÓPRIA.


REFERÊNCIAS:

Pesquisa realizada na internet/ GOOGLE em 22/07/2016 por MSA





BEM ESTAR - SAÚDE E NUTRIÇÃO - DIETA PARA A SÍNDROME DO INTESTINO OU CÓLON IRRITÁVEL (SII) - O QUE EVITAR - O QUE COMER?

A literatura tem demonstrado que  tipos específicos de carboidratos, representados pela sigla - Fodmaps (Fermentable Oligosaccharides, disaccharides, monosaccharides and polyols), podem ser prejudiciais para quem tem SII. São oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis fermentáveis, ou seja, carboidratos de cadeia curta, de difícil absorção e rápida fermentação.

Sintomas

Quem tem a SII poderá sentir dor e distensão abdominal, diarreias, gases, prisão de ventre e desconforto abdominal que melhora depois de evacuar.
De acordo com estudos, a dieta com poucos Fodmaps pode melhorar os sintomas da Síndrome do Intestino Irritável em pelo menos 74%.

Alimentos com muitos Fodmaps: evite

De acordo com dados da Universidade de Monash, na Austrália, devem ser evitados os seguintes alimentos:

Evite alimentos estimulantes: café chocolate ou chá preto.

Evite alimentos de difícil digestão como:
Carnes gordurosas
Soja , cevada, grão de bico,  couve-de-bruxelas.

ELIMINAÇÃO DO GLÚTEN:  ( TRIGO, CEVADA E CENTEIO)

PESQUISAS MOSTRAM QUE ALGUMAS PESSOAS COM A MELHORIA NOS SINTOMAS DE DIARREIA, PARAM DE COMER GLÚTEN

Açucares processados, doces e bolos
Manteiga
Consuma produtos de soja no lugar de laticínios

Elimine da sua dieta vegetais e legumes que produzem flatulências,

Alcoól,  bebidas gaseificadas – CERVEJA –
frituras
Milho;
Couve - flor, brócolis,repolho,
Couve;
Ervilhas;
Aspargos;
Alho;
Aipo;
Beterraba;
Cebola;
Alcachofra;
Biscoitos de centeio;
Biscoitos feitos com trigo;
Pistache;
Castanha de caju;
Pães feitos com trigo ou centeio;
Massa;
Pizza;
Cereais a base de trigo com frutas secas;
Feijão -  substitua pelo caldo ou vagem ou lentilha
Iogurte c/ lactose;
Leite c/ lactose;
Queijo fresco;
Sorvete;

FRUTAS CRUAS -  se vc tem inchaço, incômodos, pode ser que seu médico sugira que vc corte bebidas carbonatadas, legumes, especialmente repolho, brócolis e couve-flor e FRUTAS CRUAS.

Maçãs;
Peras;
Manga;
Melancia;
Nectarina;
Pêssego;
Ameixas;

Alimentos com poucos Fodmaps: DÊ A PREFERÊNCIA

Beber ao longo do dia, 2 litros de água

Ainda seguindo as dicas da instituição, opte por comer:


Alimentos probióticos como iogurte ( sem lactose) e kefir do leite
Ajudam na digestão da lactose, reduzem a constipação e a diarréia, estimulam o sistema imunológico, a produção de vitamina B e restabelece, a flora intestinal.

Saladas cruas a vontade, priorizando vegetais verde escuros (VER MELHOR)

Mel
Azeite de oliva
Feijão verde;
Cenoura;
Berinjela;
Espinafre;
Tomate;
Chás calmantes, como o de camomila, tília, hortelã  ou cidreira
Frutas não cítricas

Mamão
Abacate
Alface;
Pepino;
Couve chinesa;
Ervas aromáticas;
Biscoito sem glúten;
Bolache de arroz;
Amêndoas;
Semente de abóbora;
Aveia
Pão sem glúten
Massa sem glúten
Arroz;
Quinoa;
Carne;
Peixes sem fritar – ver dieta do ácido úrico
Galinha;
Tofu;
Leite e iogurte sem lactose;
Queijo duro;
Banana prata;
Laranja serra d água;
Tangerina;
Damasco
Castanha do pará
Uva;
Melão
Maracujá;
Framboesa;
Morango.

ALIMENTOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS SUSPEITOS E RETIRADOS DA ALIMENTAÇÃO PARA OBSERVAÇÃO:

. leite e os derivados que contiverem lactose (queijo minas, requeijão, coalhadas, mesmo quando não há intolerância à lactose
Às vezes,em casos isolados, da forma diarréica, em que uma dieta que exclui o glúten, laticínios e derivados e SOJA tem se mostrado eficas na supressão dos principais sintomas.

A hipótese mais plausível é a de que algumas proteínas contidas nestes alimentos seriam de difícil digestão para os portadores da síndrome.
. alimentos com cafeína: chá preto, chá mate, chá verde, café, chocolate, coca;
. condimentos e especiarias: canela, pimenta, alho, cebola
. frutas cítricas: laranja azeda, limão, abacaxi,  maracujá
. alimentos muito gordurosos: frituras, amendoim, queijos amarelos
. refrigerantes, bebidas alcoólicas
. alimentos com glúten; pão, macarrão, bolo, biscoito
. alimentos ricos em sacarose: açúcar, doces
Algumas carnes, como a de porco

O uso dos alimentos ricos em cálcio como os leites de soja fortificados e as fontes de magnésio( tofu, soja, tomate, além de chá que auxiliam a eliminação dos gases ( melissa, camomila), podem auxiliar o tratamento que é complementado com cuidados com o sono,  hidratação, prática de atividade física e diminuição do estresse ( melhor qualidade de vida).

. INVISTA EM PROBIÓTICOS

. Evite alimentos refinados, como a  FARINHA BRANCA
. evite industrializados e corantes
. Evite alimentos formadores de gases, como repolho, brócolis, feijão, batata doce entre outros.


 A Síndrome do cólon irritável é um distúrbio na motilidade intestinal não associado a alterações estruturais ou bioquímicas e que se caracteriza por episódios de desconforto abdominal, dor, diarreia e obstipação (prisão de ventre) presentes pelo menos durante 12 semanas, consecutivas ou não.

Em geral, os portadores da síndrome precisam de remédio. Isso não quer dizer que o uso de medicamentos deva ser crônico e contínuo, como acontece com outras doenças do intestino. Eles podem ser prescritos nas fases de maior desconforto, por não mais do que um ou dois meses.
É evidente que o indivíduo com propensão para manifestar a síndrome, depois de alguns anos sem manifestações clínicas, por fatores emocionais ou algum distúrbio na motilidade intestinal, pode voltar a apresentar os sintomas e ser obrigado a retomar o tratamento.

Causas

* Motilidade anormal do intestino delgado durante o jejum, contrações exageradas depois da ingestão de alimentos gordurosos ou em resposta ao estresse;

* Hipersensibilidade dos receptores nervosos da parede intestinal à falta de oxigênio, distensão, conteúdo fecal, infecção e às alterações psicológicas;

* Níveis elevados de neurotransmissores (como a serotonina, por exemplo) no sangue e no intestino grosso;

* Infecções e processos inflamatórios;

* Depressão e ansiedade.

Diagnóstico

O diagnóstico é baseado nos sintomas, na ausência de sinais relevantes verificados no exame físico e na visualização direta do intestino através da colonoscopia. Ele deve ser bastante cuidadoso, porque algumas doenças mais graves podem ser confundidas com a síndrome do cólon irritável.

Sintomas

Os sintomas (desconforto abdominal, dor, cólicas, alternância dos períodos de diarreia e obstipação intestinal, flatulência exagerada e sensação de esvaziamento incompleto do intestino) podem piorar depois da ingestão de cafeína, álcool, comidas gordurosas, vegetais que aumentem a produção de gases digestivos ou de produtos que contenham sorbitol, como chiclete e balas sem açúcar.

Tratamento

Para a dor:

* O tratamento é feito com antiespasmódicos. Alguns pacientes reagem bem ao uso de antidepressivos tricíclicos; outros, aos anti-inflamatórios e, nos casos mais rebeldes, à morfina e derivados.

Para a diarreia:

* Medicamentos que aumentam a consistência do bolo alimentar e reduzem a frequência dos movimentos intestinais costumam apresentar bons resultados. Casos mais refratários podem ser tratados com antibióticos por tempo curto.

Para a prisão de ventre:

* Dieta rica em fibras e laxativos osmóticos, como o leite de magnésia e a lactulose, ajudam a aliviar os sintomas. Além desses, drogas capazes de acelerar o trânsito intestinal e diminuir a consistência das fezes também são úteis.

Recomendações

* Faça uma lista dos alimentos que possam estar associados ao aparecimento das crises e evite-os;

* Adote dieta com baixo teor de gordura e rica em fibras, mas cuidado com os vegetais que aumentam a produção de gases, como repolho, couve-flor, batata doce, feijão, entre outros;

* Evite ingerir bebidas alcoólicas e as que contêm cafeína;

* Procure não mascar chicletes nem chupar balas que contenham sorbitol; ou xilitol.

* Mantenha um programa diário de exercícios físicos;

* Não fume;

* Não despreze o benefício que a psicoterapia e outras técnicas terapêuticas (relaxamento, por exemplo) podem trazer aos portadores da síndrome.

Alimentos a evitar na síndrome do intestino irritável

frituras, molhos, natas;
café, chá preto e refrigerantes com cafeína;
açúcar, doces, bolachas, biscoitos, bala;
bebidas alcoólicas.
Pode ser necessário excluir o leite da dieta se o paciente verificar que este alimento irrita o seu intestino, pois é muito comum a intolerância à lactose nos pacientes com síndrome do cólon irritável. Assim como a presença da fibra na dieta deve ser estudada individualmente porque para alguns pacientes pode ser contra-indicada.
Na dieta para síndrome do intestino irritável é importante controlar também a quantidade de água ingerida. Está determinado que o paciente com síndrome do cólon irritável deve beber cerca de 30 a 35 mL de líquidos, como água, por kg de peso, o que significa que um indivíduo de 60 kg tem que ingerir cerca de 2 litros de água. A conta é feita multiplicando o peso real do paciente por 35 mL.
Deve-se controlar também alimentos que irritam os intestinos, como condimentos picantes e produtos com excesso de conservantes.
O sal grosso tem efeito osmótico e aumenta o fluxo de água para dentro dos intestinos, favorecendo a irritação intestinal.
Da mesma forma desaconselha-se a ingestão excessiva de açúcar, principalmente de doces muito concentrados, como brigadeiro, quindim e leite condensado.
Em geral os portadores da síndrome precisam de remédios. Isso não quer dizer que o uso de medicamentos deva ser crônico, como acontece com outras doenças do intestino. Eles podem ser prescritos nas fases de maior desconforto, por não mais que 1 ou 2 meses.

CONCLUSÃO:

A dieta Low FODMAP ou dieta pobre em FODMAP é uma nova abordagem alimentar que está a ser utilizada para controlar os sintomas associados à SII. A dieta com baixo teor de FODMAP  está a tornar-se mundialmente aceite como a principal estratégia de gestão dos sintomas da SII, bem como de outros distúrbios gastrointestinais.

Os FODMAPs ( sigla para Oligosacarídeos, Dissacarídeos, Monosacarídeos e Polióis Fermentáveis), encontram-se numa grande variedade de alimentos que são dificilmente absorvidos pelo intestino delgado. Estes hidratos de carbono mal absorvidos são por sua vez fermentados por bactérias do intestino produzindo gases. A pesquisa atual indica fortemente que este grupo de hidratos de carbono contribui paraa os sintomas associados à SII.
Limitar o consumo de FODMAPs na dieta, segundo a Dra. Sue Shepherd, em sua tese de doutoramento, em 1999, é um tratamento eficaz para quem tem sintomas associados à SII.


ATENÇÃO:

SIGA AS RECOMENDAÇÕES  DO GASTROENTEROLOGISTA, NUTRÓLOGO E/OU CLÍNICO GERAL.
NÃO FAÇA DIETAS RESTRITIVAS POR CONTA PRÓPRIA.


REFERÊNCIAS:

Pesquisa realizada na internet/ GOOGLE em 22/07/2016 por MSA





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...